ROSALBA USA METODOLOGIA DE BOLSONARO NAS REDES SOCIAIS VISANDO IMPEDIR O DEBATE MAIS SÉRIO

06 de Agosto de 2019 | 09:58hs

Há uma grande desconfiança por parte da opinião pública de que as polêmicas criadas rotineiramente pelo presidente Jair Bolsonaro, têm o objetivo de manter em atividade os bolsonaristas abnegados nas redes sociais.

É uma espécie de oferta de munição.

Sem essas pequenas doses diárias de polêmicas, teme-se que o exército das redes sociais se desmobilize e arrefeça.

Pois bem, neste aspecto existe uma certa similaridade de metodologia no estilo do rosalbismo em Mossoró fazer política.

A diferença é que Bolsonaro solta a horda para o ataque, Rosalba trabalha com a vitimização.

O método em Mossoró consiste em ativar núcleos nas redes sociais e na mídia “controlada” para analisarem os fatos e divulgarem comentários cuja imagem de Rosalba é sempre de vítima.

Para cumprirem o papel, o primeiro passo é escalar alguns alvos, entre políticos e profissionais da mídia, que serão provocados até reagirem.

O segundo passo é transformar as reações como se fossem ataques pessoais a prefeita. Daí a vitimização.

O método tem alcançado seus objetivos.

Principalmente porque inverte o debate político para um campo que Rosalba tem mestrado e doutorado.

E deixa de lado o debate sobre desenvolvimento, urbanismo, saúde, educação, empregos, qualidade de vida, etc.

Infelizmente alguns dos alvos se deixam cair na armadilha e fornecem a munição que o rosalbismo necessita. Tornam-se agressivos nos seus discursos e miram na pessoa de Rosalba.

Esse é o erro. Porque permite que o debate necessário e verdadeiro não aconteça.

Tenho ouvido muitas entrevistas e lido comentários que, via de regra, passam longe de explicitar os problemas e suas soluções.

A população quer ouvir mais sobre soluções. Quer saber o que cada um planeja, o que pretende fazer, o como pretende fazer.

Enquanto isso não acontece, nas redes sociais continua a lenga-lenga do dedo no olho.

Comentários

Sem comentários. Seja o primeiro.

ROSALBA USA METODOLOGIA DE BOLSONARO NAS REDES SOCIAIS VISANDO IMPEDIR O DEBATE MAIS SÉRIO

06 de Agosto de 2019 | 09:58hs
Imagem [0]

Há uma grande desconfiança por parte da opinião pública de que as polêmicas criadas rotineiramente pelo presidente Jair Bolsonaro, têm o objetivo de manter em atividade os bolsonaristas abnegados nas redes sociais.

É uma espécie de oferta de munição.

Sem essas pequenas doses diárias de polêmicas, teme-se que o exército das redes sociais se desmobilize e arrefeça.

Pois bem, neste aspecto existe uma certa similaridade de metodologia no estilo do rosalbismo em Mossoró fazer política.

A diferença é que Bolsonaro solta a horda para o ataque, Rosalba trabalha com a vitimização.

O método em Mossoró consiste em ativar núcleos nas redes sociais e na mídia “controlada” para analisarem os fatos e divulgarem comentários cuja imagem de Rosalba é sempre de vítima.

Para cumprirem o papel, o primeiro passo é escalar alguns alvos, entre políticos e profissionais da mídia, que serão provocados até reagirem.

O segundo passo é transformar as reações como se fossem ataques pessoais a prefeita. Daí a vitimização.

O método tem alcançado seus objetivos.

Principalmente porque inverte o debate político para um campo que Rosalba tem mestrado e doutorado.

E deixa de lado o debate sobre desenvolvimento, urbanismo, saúde, educação, empregos, qualidade de vida, etc.

Infelizmente alguns dos alvos se deixam cair na armadilha e fornecem a munição que o rosalbismo necessita. Tornam-se agressivos nos seus discursos e miram na pessoa de Rosalba.

Esse é o erro. Porque permite que o debate necessário e verdadeiro não aconteça.

Tenho ouvido muitas entrevistas e lido comentários que, via de regra, passam longe de explicitar os problemas e suas soluções.

A população quer ouvir mais sobre soluções. Quer saber o que cada um planeja, o que pretende fazer, o como pretende fazer.

Enquanto isso não acontece, nas redes sociais continua a lenga-lenga do dedo no olho.

Comentários


Sem comentários. Seja o primeiro.

Sou jornalista há 28 anos, advogado e professor de História. Não sei se sou competente, mas sei que sou responsável com minhas tarefas.

netoqueiroz@uol.com.br