REAÇÃO DE ALGUNS POLÍTICOS CONTRA BANCADA FEDERAL É OPORTUNISMO ELEITORAL

09 de Abril de 2019 | 09:52hs

Parte da bancada federal do RN que votou pela retirada de parte das emendas do orçamento da União destinadas a Natal, está sendo crucificada pela imprensa da capital e por meia dúzia de políticos oportunistas de plantão.

Com dedo em riste, a turma que quer colher seus dividendos eleitorais da questão, tenta demonizar quem ousou tirar dinheiro destinado a Natal.

Usando de verdades parcialmente deturpadas, esquecem de explicar o que aconteceu.

Primeiro, houve um contingenciamento de parte das emendas, obrigando as bancadas a reduzirem o valor destinado a cada emenda.

Segundo, esse contingenciamento exigiu que as emendas fossem obrigatoriamente destinadas a obras continuadas, ou seja, só poderia destinar dinheiro para obra nova, quando a obra anterior estivesse concluída.

Terceiro, os parlamentares ficaram divididos entre a possibilidade de reduzir igualmente todas as emendas ou escolherem prioridades e manterem integralmente o dinheiro das emendas para estas prioridades.

Quarto, eles decidiram por focarem as prioridades e escolheram três: saúde, segurança e educação.

A emenda destinada para o terminal turístico da Redinha não se enquadrava nas prioridades.

As manchetes em alguns sites de notícias foram: “deputados traíram Natal na calada da noite” ou “bancada esqueceu de Natal”.

Nada disso ocorreu, o que houve foi uma escolha de prioridades, perfeitamente justificável e que demonstra preocupação com temas essenciais.

Infelizmente, na política o oportunismo anda bem distante da racionalidade administrativa.

Comentários

  • LEANDRO URBANO

    Por isso meu nobre e caro Neto Queiroz, sempre afirmo que a IMPRENSA é o quarto poder da República, pois através da informação e da contra informação a verdade vem à tona. Pois a imprensa da capital estava sacrificando esses parlamentares federais e muitos estavam convictos dessas "verdades parcialmente deturpadas".

REAÇÃO DE ALGUNS POLÍTICOS CONTRA BANCADA FEDERAL É OPORTUNISMO ELEITORAL

09 de Abril de 2019 | 09:52hs
Imagem [1]

Parte da bancada federal do RN que votou pela retirada de parte das emendas do orçamento da União destinadas a Natal, está sendo crucificada pela imprensa da capital e por meia dúzia de políticos oportunistas de plantão.

Com dedo em riste, a turma que quer colher seus dividendos eleitorais da questão, tenta demonizar quem ousou tirar dinheiro destinado a Natal.

Usando de verdades parcialmente deturpadas, esquecem de explicar o que aconteceu.

Primeiro, houve um contingenciamento de parte das emendas, obrigando as bancadas a reduzirem o valor destinado a cada emenda.

Segundo, esse contingenciamento exigiu que as emendas fossem obrigatoriamente destinadas a obras continuadas, ou seja, só poderia destinar dinheiro para obra nova, quando a obra anterior estivesse concluída.

Terceiro, os parlamentares ficaram divididos entre a possibilidade de reduzir igualmente todas as emendas ou escolherem prioridades e manterem integralmente o dinheiro das emendas para estas prioridades.

Quarto, eles decidiram por focarem as prioridades e escolheram três: saúde, segurança e educação.

A emenda destinada para o terminal turístico da Redinha não se enquadrava nas prioridades.

As manchetes em alguns sites de notícias foram: “deputados traíram Natal na calada da noite” ou “bancada esqueceu de Natal”.

Nada disso ocorreu, o que houve foi uma escolha de prioridades, perfeitamente justificável e que demonstra preocupação com temas essenciais.

Infelizmente, na política o oportunismo anda bem distante da racionalidade administrativa.

Comentários


  • LEANDRO URBANO

    Por isso meu nobre e caro Neto Queiroz, sempre afirmo que a IMPRENSA é o quarto poder da República, pois através da informação e da contra informação a verdade vem à tona. Pois a imprensa da capital estava sacrificando esses parlamentares federais e muitos estavam convictos dessas "verdades parcialmente deturpadas".

Sou jornalista há 28 anos, advogado e professor de História. Não sei se sou competente, mas sei que sou responsável com minhas tarefas.

netoqueiroz@uol.com.br