PRESIDENTE DO PERU DIZ QUE NÃO RENUNCIARÁ POR CONTA DE PAGAMENTOS DA ODEBRECHT

15 de Dezembro de 2017 | 15:19hs

O presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, disse que não renunciará por conta do escândalo envolvendo pagamentos feitos pela empreiteira brasileira Odebrecht há cerca de uma década para um empresa que ele controlava na época em que ocupava um cargo público. A informação é da agência Reuters.

Em pronunciamento transmitido pela TV nessa quinta-feira (14), ao lado de integrantes de seu gabinete e parlamentares de seu partido, Kuczynski reconheceu que era dono da empresa Westfield Capital Ltd, mas afirmou que não a gerenciava enquanto ocupava cargos públicos e negou quaisquer irregularidades.

Antes do discurso de Kuczynski, líderes de vários partidos no Congresso controlado pela oposição prometeram lutar para tirá-lo do poder caso ele não o deixe voluntariamente. O Força Popular, partido de direita que tem a maioria das cadeiras no Congresso, pediu que o presidente renunciasse até o final do dia de ontem.

"Sou um homem honesto e o fui por toda a minha vida. Estou disposto a defender a verdade", disse Kuczynski, um ex-banqueiro de Wall Street de 79 anos. Ele disse que abrirá mão de seu sigilo bancário e prometeu se submeter a questionamentos do Congresso e da procuradoria-geral do país.

Comentários

Sem comentários. Seja o primeiro.

PRESIDENTE DO PERU DIZ QUE NÃO RENUNCIARÁ POR CONTA DE PAGAMENTOS DA ODEBRECHT

15 de Dezembro de 2017 | 15:19hs
Imagem [0]

O presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, disse que não renunciará por conta do escândalo envolvendo pagamentos feitos pela empreiteira brasileira Odebrecht há cerca de uma década para um empresa que ele controlava na época em que ocupava um cargo público. A informação é da agência Reuters.

Em pronunciamento transmitido pela TV nessa quinta-feira (14), ao lado de integrantes de seu gabinete e parlamentares de seu partido, Kuczynski reconheceu que era dono da empresa Westfield Capital Ltd, mas afirmou que não a gerenciava enquanto ocupava cargos públicos e negou quaisquer irregularidades.

Antes do discurso de Kuczynski, líderes de vários partidos no Congresso controlado pela oposição prometeram lutar para tirá-lo do poder caso ele não o deixe voluntariamente. O Força Popular, partido de direita que tem a maioria das cadeiras no Congresso, pediu que o presidente renunciasse até o final do dia de ontem.

"Sou um homem honesto e o fui por toda a minha vida. Estou disposto a defender a verdade", disse Kuczynski, um ex-banqueiro de Wall Street de 79 anos. Ele disse que abrirá mão de seu sigilo bancário e prometeu se submeter a questionamentos do Congresso e da procuradoria-geral do país.

Comentários


Sem comentários. Seja o primeiro.

Sou jornalista há 28 anos, advogado e professor de História. Não sei se sou competente, mas sei que sou responsável com minhas tarefas.

netoqueiroz@uol.com.br