JUSTIÇA INTERDITA CENTRO DE DETENÇÃO PROVISÓRIA DE CURRAIS NOVOS

23 de Março de 2016 | 08:41hs

O juiz Marcus Vinícius Pereira Júnior decretou a interdição parcial do Centro de Detenção Provisória de Currais Novos, na região Seridó do Rio Grande do Norte. Com a decisão, a unidade prisional não pode receber novos presos até que sejam solucionados, por parte do Estado, inúmeros problemas encontrados no local durante inspeção feita pelo Judiciário.

Na decisão, o magistrado ressaltou, inclusive, que devem ser mantidos naquele estabelecimento prisional apenas os presos provisórios. Ele declarou, provisoriamente, que nas condições físicas constatadas durante a inspeção judicial o Centro de Detenção Provisória de Currais Novos somente tem condições de custodiar 12 presos.

Marcus Vinícius determinou que o diretor do Centro de Detenção Provisória de Currais Novos seja oficiado e informado sobre a impossibilidade de recebimento de novos presos, até posterior determinação judicial. Ele também determinou que o delegado de Polícia de Currais Novos, bem como o delegado geral de Polícia do Estado do RN, sejam oficiados e informados da interdição parcial, com a ressalva de que é obrigação da Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania (Sejuc), através da Coordenadoria de Administração Penitenciária (Coape), indicar o local adequado para custodiar novos presos.

Marcus Vinícius ressaltou que não é obrigação do juiz criminal a indicação de vagas no sistema prisional para custodiar os presos.

O secretário de Justiça e Cidadania do Estado do RN, a Ordem dos Advogados do Brasil (Currais Novos) e o Ministério Público do RN têm cinco dias para apresentar manifestação quanto à determinação judicial.

Publicidade

Comentários

Sem comentários. Seja o primeiro.

JUSTIÇA INTERDITA CENTRO DE DETENÇÃO PROVISÓRIA DE CURRAIS NOVOS

23 de Março de 2016 | 08:41hs
Imagem [0]

O juiz Marcus Vinícius Pereira Júnior decretou a interdição parcial do Centro de Detenção Provisória de Currais Novos, na região Seridó do Rio Grande do Norte. Com a decisão, a unidade prisional não pode receber novos presos até que sejam solucionados, por parte do Estado, inúmeros problemas encontrados no local durante inspeção feita pelo Judiciário.

Na decisão, o magistrado ressaltou, inclusive, que devem ser mantidos naquele estabelecimento prisional apenas os presos provisórios. Ele declarou, provisoriamente, que nas condições físicas constatadas durante a inspeção judicial o Centro de Detenção Provisória de Currais Novos somente tem condições de custodiar 12 presos.

Marcus Vinícius determinou que o diretor do Centro de Detenção Provisória de Currais Novos seja oficiado e informado sobre a impossibilidade de recebimento de novos presos, até posterior determinação judicial. Ele também determinou que o delegado de Polícia de Currais Novos, bem como o delegado geral de Polícia do Estado do RN, sejam oficiados e informados da interdição parcial, com a ressalva de que é obrigação da Secretaria de Estado da Justiça e da Cidadania (Sejuc), através da Coordenadoria de Administração Penitenciária (Coape), indicar o local adequado para custodiar novos presos.

Marcus Vinícius ressaltou que não é obrigação do juiz criminal a indicação de vagas no sistema prisional para custodiar os presos.

O secretário de Justiça e Cidadania do Estado do RN, a Ordem dos Advogados do Brasil (Currais Novos) e o Ministério Público do RN têm cinco dias para apresentar manifestação quanto à determinação judicial.

Comentários


Sem comentários. Seja o primeiro.

Sou jornalista há 28 anos, advogado e professor de História. Não sei se sou competente, mas sei que sou responsável com minhas tarefas.

netoqueiroz@uol.com.br