DEMORA NA DECISÃO DA CÂMARA, FAZ PLANALTO TEMER OS FATOS NOVOS

14 de Julho de 2017 | 09:40hs

A decisão da Câmara dos deputados de só votar em 02 de agosto se autoriza ou não o STF a julgar o presidente Michel Temer, criou vários fatores de risco.

Um deles a favor de Temer. Com a demora, Temer tem tempo para apresentar resultados positivos do governo e se houver normalidade no período, ganhar ares de que é melhor deixar tudo quieto.

Por outro lado, existem fatores para o futuro e que são negativos.

O pior deles é se nesse meio tempo surgem fatos novos como as delações de Lúcio Funaro e Eduardo Cunha. Principalmente Cunha, que é uma bomba relógio.

E não é difícil imaginar que Cunha faça a delação. A PGR, que tem um confronto direto com Temer, está à procura de “bambus” que compliquem o presidente.

Nessa situação, Cunha pode negociar uma delação muito mais vantajosa para ele. Nesse prisma, viria coisa muito pesada contra Temer.

A demora na votação da Câmara  cria um mar de incertezas, no dia a dia, a espera dos fatos novos.

Publicidade

Comentários

Sem comentários. Seja o primeiro.

DEMORA NA DECISÃO DA CÂMARA, FAZ PLANALTO TEMER OS FATOS NOVOS

14 de Julho de 2017 | 09:40hs
Imagem [0]

A decisão da Câmara dos deputados de só votar em 02 de agosto se autoriza ou não o STF a julgar o presidente Michel Temer, criou vários fatores de risco.

Um deles a favor de Temer. Com a demora, Temer tem tempo para apresentar resultados positivos do governo e se houver normalidade no período, ganhar ares de que é melhor deixar tudo quieto.

Por outro lado, existem fatores para o futuro e que são negativos.

O pior deles é se nesse meio tempo surgem fatos novos como as delações de Lúcio Funaro e Eduardo Cunha. Principalmente Cunha, que é uma bomba relógio.

E não é difícil imaginar que Cunha faça a delação. A PGR, que tem um confronto direto com Temer, está à procura de “bambus” que compliquem o presidente.

Nessa situação, Cunha pode negociar uma delação muito mais vantajosa para ele. Nesse prisma, viria coisa muito pesada contra Temer.

A demora na votação da Câmara  cria um mar de incertezas, no dia a dia, a espera dos fatos novos.

Comentários


Sem comentários. Seja o primeiro.

Sou jornalista há 28 anos, advogado e professor de História. Não sei se sou competente, mas sei que sou responsável com minhas tarefas.

netoqueiroz@uol.com.br