ROSALBA MOSTRA INSENSIBILIDADE, DEMITE MULHERES GRÁVIDAS COM ESTABILIDADE E SE RECUSA A INDENIZAR

26 de Fevereiro de 2017 | 15:48hs
Imagem [0]

A prefeita Rosalba Ciarlini demonstrou muita falta de sensibilidade numa decisão que tomou e que não reconheceu o direito assegurado a servidores municipais e passou por cima do que determina a Constituição Federal.

Em janeiro, quando assumiu a Prefeitura, Rosalba mandou demitir todas as mulheres ocupantes de cargos comissionados que estavam grávidas, detentoras de uma estabilidade prevista na Constituição. Como mulher e mãe, a prefeita não se sensibilizou com cerca de duas dezenas de mulheres que foram surpreendidas com a falta de respeito aos seus direitos.

Diz o art. 10 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias: I...,  II – fica vedada a dispensa arbitrária ou sem justa causa: a)… b) da empregada gestante, desde a confirmação da gravidez até cinco meses após o parto.

O entendimento do STF é que essa proteção legal vale para o setor privado e também o público, e neste último caso engloba as ocupantes de cargos comissionados.

O ato inconstitucional de Rosalba foi impensado e injusto, prejudicou até mesmo mães que estavam no gozo da licença maternidade. Ela passou por cima de requerimentos, ofícios e documentos apresentados pelas grávidas junto à Secretaria de Administrando solicitando a não demissão em razão da gravidez.

Caso fosse o interesse de Rosalba em não contar com ninguém na gestão atual que viesse da gestão anterior de Francisco José Júnior, inclusive às protegidas pela lei, o correto seria ela pelo menor determinar o pagamento pelo tempo em que a estabilidade estivesse assegurada em lei. A prefeita nem se absteve de exonerar e nem autorizou que houvesse qualquer tipo de indenização.

Para tentar passar por cima do direito das mulheres injustamente demitidas, Rosalba pediu parecer a Procuradoria Municipal que ao seu intento fixou entendimento de que não era devido às mulheres grávidas nenhum direito. Deixando apenas o caminho da Justiça para quem quisesse garantir seus direitos.

O ato demonstra muita falta de sensibilidade, não apenas pela demissão em si, mas pela absoluta falta de respeito às dezenas de mulheres que se encontram num momento especial de suas vidas, como mães, e delicado em virtude de terem a passado pela gestação, parto e primeiros momentos com os filhos recém-nascidos. O que a Constituição tentou proteger, Rosalba passou por cima, pensando apenas na comodidade política.

MENSAGEM PARA REFLEXÃO - FALTOU A FÉ

25 de Fevereiro de 2017 | 22:24hs
Imagem [0]
MUITA FÉ
 
Os moradores de uma região castigada pela seca há vários anos 
foram até o padre da paróquia local pedir para que ele rezasse uma 
missa especial que trouxesse a chuva de volta. O padre negou-se a 
realizar a missa alegando que nada aconteceria pois seria 
necessário que o povo tivesse muita fé em Deus. 

O religioso foi então pressionado pela comunidade, todos afirmando 
que possuíam a fé requerida para que a chuva acontecesse. 

Muito contrariado, o padre marcou a missa para a manhã seguinte.

Na hora combinada o povo já ocupava todos os lugares da igreja em 
silêncio.

O padre chegou sem dar uma palavra. Atravessando os bancos foi 
esquivando-se de cada um dos fiéis. Dirigindo-se aos fiéis, falou:
- Caros irmãos, tomei uma decisão: lamento informar mas não vou 
rezar a missa pois agora tenho absoluta certeza que vocês não têm 
fé!

Foi aquela agitação na igreja, todos reagindo contra as palavras 
do padre. O líder da comunidade levantou-se e protestou com 
veemência:
- Padre, em nome de todos aqui reunidos, permita-me discordar de 
sua posição. O senhor está enganado pois todos aqui têm muita fé e 
acreditam que esta missa vai trazer a chuva.

O padre escutou com atenção e dirigindo-se aos "fieis" perguntou:
- Irmãos, se vocês têm tanta fé como dizem ter, respondam-me: quem 
aqui trouxe guarda-chuva?

Os olhares constrangidos entre os presentes logo mostraram a 
realidade do momento: ninguém levara guarda-chuva!!!

MENSAGEM PARA REFLEXÃO - A PANELA GRÁVIDA

25 de Fevereiro de 2017 | 22:22hs
Imagem [0]
A PANELA GRÁVIDA
 
Um dia o Mullah pediu para o seu vizinho ,emprestado uma panela enorme. 

O vizinho lhe emprestou relutantemente a panela que indicava já, uma 
falta de confiança. 

No dia seguinte, ele devolveu uma panela pequena e foi logo dizendo: 
- "Sua panela estava grávida, esta panelinha aqui é o bebê e pertence a 
você". 

O vizinho apesar de ter achado meio estranho tudo aquilo, aceitou o 
presente pois acreditava que de um cavalo ganho não se olha os dentes. 

Uma semana se passou e uma vez mais o Mullah pediu emprestado a panela 
e a devolveu no dia seguinte com uma panela pequena de presente. 

Na semana seguinte quando o Mullah pediu novamente emprestado a panela 
do vizinho , este emprestou já na ansiedade de ganhar mais uma panela de presente.
Passado uns três dias, o vizinho foi na casa do Mullah e exigiu o 
retorno da sua panela. 

Mullah lhe falou, 
- "Ai meu amigo, isso é impossível! Sua panela faleceu em trabalho de 
parto". 

O vizinho ficou enlouquecido e colocou-se a gritar: 
- "Olhe, aqui seu idiota, pensa que vai me fazer de bobo? Todo mundo 
sabe que panelas não morrem em trabalho de parto ". 

- "Meu amigo, " o Mullah calmamente respondeu: 
- "Nós já estabelecemos que aquela sua panela está sempre grávida, 
tanto que você recebeu de mim dois dos bebês. Eu não pude fazer nada, 
o azar foi seu se sua panela não pode sobreviver a três trabalhos de 
parto em um espaço de tempo tão pequeno!!! Você é que deveria ter 
cuidado melhor dela pois se a tivesse educado melhor, teria evitado 
toda essa tragédia." 

Quando aprovamos atos e decisões erradas somente pra nos beneficiarmos 
delas, não podemos esquecer que suas conseqüências sejam elas quais 
forem também foi escolha nossa... e não vamos poder reclamar... 

O NOME DO PROBLEMA DO GOVERNO É MICHEL TEMER

25 de Fevereiro de 2017 | 16:18hs
Imagem [0]

POR JOSIAS DE SOUZA:

O problema do governo tem nome e sobrenome. Nas últimas horas, políticos e jornalistas o chamam de Eliseu Padilha. Se estivessem certos, a solução seria simples. Bastariam uma esferográfica para a assinatura do presidente e uma folha para o ato de exoneração do chefe da Casa Civil. Mas estão todos enganados.

Chama-se Michel Temer o problema do governo. Ele chegou ao Planalto como solução constitucional para a autocombustão que consumiu o mandato de Dilma Rousseff. Virou um problema ao cercar-se de amigos tóxicos e subordinar sua administração à vulgaridade. Temer se absteve de perceber que o jogo político no Brasil mudou de fase.

Nesta sexta-feira, o presidente mandou sua assessoria divulgar uma nota. Nela, admitiu novamente ter pedido dinheiro à Odebrecht em 2014. Mas reiterou que “não autorizou, nem solicitou que nada fosse feito sem amparo nas regras da Lei Eleitoral.” Contabilizou o repasse da construtora ao PMDB em R$ 11,3 milhões. “Tudo declarado na prestação de contas ao Tribunal Superior Eleitoral”, enfatizou a nota. “É essa a única e exclusiva participação do presidente no episódio.”

O “episódio” que o texto do Planalto preferiu não esmiuçar envolve a Odebrecht, uma dezena de milhões reais e os dois maiores amigos do presidente da República: o ex-assessor da Presidência José Yunes e o chefe da Casa Civil Eliseu Padilha. O fato comporta pelo menos quatro versões: a de Temer, a de Yunes, a de Padilha e a versão verdadeira.

Nesse contexto, a manifestação divulgada pela assessoria presidencial apenas empurrou Temer para dentro de um Brasil alternativo. Um país fictício em que nada de reprovável aconteceu. Para que a nota oficial ficasse em pé, todos os brasileiros adultos teriam de aceitar a tese segundo a qual Temer não tem nada a explicar e que a crise que acaba de cair no seu colo está encerrada.

Nesta ficção que nenhum novelista assinaria para não passar por improvável, os brasileiros teriam de se fingir de bobos e ignorar o seguinte roteiro: o amigão Yunes recebeu em seu escritório envelope das mãos do doleiro Lúcio Funaro, um portador que o amissíssimo Padilha jura que nem conhece. No envelope que Yunes assegura ter recebido a pedido de Padilha, podia haver qualquer coisa, menos os milhões em verbas sujas que Temer renega, mas que os delatores da Odebrecht sustentam ter providenciado a seu pedido.

São tantas as confusões em que se mete o governo de Michel Temer que as coisas vão assumindo proporções inaceitáveis. Embaraços vão se transformando em hábitos. Descalabros vão virando parâmetro. De repente, nada precisa ser muito explicado. Dá-se de barato que os brasileiros se fingirão de mortos pelo bem da República.

Em nome da continuidade das reformas, ninguém perguntará: Onde Temer está com a cabeça que ainda não rompeu com Yunes, o amigo da onça? Pela estabilidade do condomínio partidário que dá suporte congressual ao governo, ninguém questionará: Afinal, Temer ainda não demitiu Padilha por que não quer ou por que não pode?

Costuma-se dizer que o brasileiro não tem memória. Michel Temer parece acreditar que os patrícios não têm mesmo é muita curiosidade.

TEMER VAI CONVERSAR COM PADILHA SOBRE ASSUNTO QUE ELE JÁ SABE DESDE 2014

25 de Fevereiro de 2017 | 09:52hs
Imagem [0]

Temer “vai conversar” com Padilha sobre caso que sabe desde 2014?

POR FERNANDO BRITO · 24/02/2017 - Blog O Tijolaço

A “explicação” mandada divulgar por Michel Temer em O Globo de que “manterá o ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) no cargo, mas quer explicações sobre o conteúdo do pacote deixado pelo doleiro Lúcio Funaro a ele no escritório de José Yunes” seria de dar risada, se não fosse um retrato do cinismo daquele que nos (?) governa.

Afinal, em diversas declarações Yunes disse ter contado o caso a ele ainda em 2014, logo que descobriu – segundo ele, pelo Google – quem era o entregador de pacotes, o doleiro Lúcio Funaro. Funaro, a esta altura, aliás, já era nome muito mais que conhecido no meio político, inclusive por seu depoimento na CPI dos Correios.

Será que em dois anos de convívio quase diário, Temer não teve tempo de perguntar?

Quem se colocar no lugar de Eliseu Padilha inevitavelmente pensaria: ou Yunes perdeu completamente o controle e se tornou uma bomba ambulante ou fez o que Temer, seu amigo e compadre, mandou fazer, descarregando tudo em cima de Padilha.

O problema nestas histórias de cumplicidade, está-se a ver com as famosas “perguntas do Cunha”, é que um fica sabendo demais do outro e, em anos de trampolinagens com dinheiro e favores, tem podres palpáveis.

Yunes apareceu na primeira bateria de questões. Há outras várias interrogações na segunda leva, à qual a imprensa ainda não deu a devida atenção.

Vai acabar dando, porque os nomes e os detalhes citados remetem a atos efetivamente praticados e logo algum dos elos da corrente de silêncio se quebrará, ainda mais com o visível processo de enfraquecimento da autoridade presidencial.

Ou alguém acha que se recusa ministério ou se ameaça impor derrotas na Câmara a um presidente que esteja forte?

Padilha já era. Foi-se sem lágrimas e seu féretro saiu sob aplausos de gente que não fala só por si, mas por outros de alta plumagem, como Merval Pereira, que escreveu agora à tarde que “a saída do ministro Eliseu Padilha resolve um problema político dentro do governo.”

As peças do Rei vão caindo e cada espaço no tabuleiro é disputado avidamente.

JULIANNE FARIA CUMPRE AGENDA DE GOVERNO NA REGIÃO OESTE

25 de Fevereiro de 2017 | 09:44hs
Imagem [0]

A secretária do Trabalho da Habitação e da Assistência Social, Julianne Faria assinou nesta sexta-feira (24), os contratos e ordens de serviços das obras dos subprojetos de inclusão produtiva e acesso à água dos beneficiários dos subprojetos do Governo do Estado nos municípios de Campo Grande, Paraú, Upanema, Caraúbas, Olho D´água dos Borges, Felipe Guerra e Governador Dix-Sept- Rosado.

A agenda foi cumprida no município de Campo Grande pela manhã e em Caraúbas no período da tarde. Os investimentos são para perfuração e instalação de poço, construção de reservatório, construção de mini adutora e construção de passagens molhada com barragem submersa, construção de espaço de comercialização dos produtos da agricultura familiar, além da aquisição de máquinas, equipamentos e veículos para facilitar a logística de comercialização.

“O Rio Grande do Norte enfrenta cinco anos de seca, uma das preocupações do Governo é proporcionar apoio para aqueles que vivem no campo. Estamos assinando essas ordens de serviços para viabilizar uma vida melhor para todos vocês”, disse Julianne.

Em sua fala, a secretária anunciou ainda que o território do Sertão do Apodi vai ganhar um nova Central do Cidadão. “A nova Central vai ser construída em terreno do Estado em Caraúbas”, destacou.

O secretário de Metas e Projetos, Vagner Araújo acompanhou toda a agenda e lembrou que os investimentos do Governo do RN em educação, saúde, segurança e assistência social no Sertão do Apodi supera 30 milhões. Os recursos são do Acordo de Empréstimo com o Banco Mundial.

 

 

TIÃO MOSTRA QUE PENSA POLÍTICA DE UM MODO DIFERENTE DOS DEMAIS

25 de Fevereiro de 2017 | 08:48hs
Imagem [0]

Achei importantíssima a posição do empresário Tião Couto, que em entrevista ao Jornal de Fato, declarou que estava pronto para atender a convocatória da prefeita Rosalba Ciarlini de união em prol de Mossoró.

Admirei a posição de Tião, porque enquanto ninguém deu resposta nenhuma ao discurso de Rosalba, fazendo de conta que não ouviram,  Tião se manifestou sem subterfúgios, simples e agindo de forma diferenciada.

O detalhe é que as velhas raposas políticas estão acostumadas a pensarem cada atitude medindo o proveito eleitoral que poderão obter. Não fazem nada que não seja pensando em tirar algum dividendo.

Alguns até podem até achar ingênuo a decisão do empresário de atender o pedido de Rosalba, porque só Rosalba tem a lucrar com uma união em prol do favorecimento da gestão dela, mas esses são os que pensam política de um modo apenas eleitoreiro.

Vejo uma atitude honesta de Tião, de querer ajudar e de não ficar escondido olhando o próprio umbigo e esperando que Rosalba tropece.

AS EVIDÊNCIAS HOJE CONTRA TEMER SÃO MAIS CONTUNDENTE, IMORAIS E ILEGAIS DO QUE AS QUE TIRARAM DILMA DO PODER

24 de Fevereiro de 2017 | 18:38hs
Imagem [0]

A chapa tá começando a ficar quente para Michel Temer dentro da Lava-Jato.

Vamos aos fatos:

1. O delator Cláudio Melo Filho contou em riquezas de detalhes de uma reunião na casa oficial do vice-presidente MIchel Temer com a presença de Eliseu Padilha e Moreira Franco. (TEMER CONFIRMA QUE HOUVE A REUNIÃO)

2. Diz o delator que nessa reunião Michel Temer solicitou 10 milhões de reais de doações da Odebrechr para o PMDB. (TEMER CONFIRMA QUE SOLICITOU A DOAÇÃO, MAS QUE PENSOU QUE SERIA UMA DOAÇÃO LEGALIZADA)

3. Ainda segundo o delator, ficou decidido na reunião que dos 10 milhões, 4 milhões seriam entregues via Eliseu Padilha e 6 milhões para a campanha do PMDB ao Governo de SP. (TEMER NÃO SABE NADA DISSO)

4. O delator ainda conta que foi entregue a José Yunes, indicado por Temer, a quantia de 4 milhões em espécie para ser repasado ao esquema do PMDB. Yunes era até há pouco tempo assessor especial da presidência da República, (TEMER TAMBÉM NÃO SABE DISSO).

Resumo do circo: Michel Temer, citado mais de 40 vezes em delações, que reconhece uma reunião com Marcelo Odebrecht e que pediu 10 milhões de reais de doações a ele, reúne hoje evidências mais contudentes, mais imorais e mais ilícitas do que serviram para tirar Dilma Roussef da presidência da República.

ACUADO APÓS DELAÇÕES, TEMER ADMITE QUE PEDIU DOAÇÕES A ODEBRECHT

24 de Fevereiro de 2017 | 18:26hs
Imagem [0]

Em comunicado à imprensa divulgado no final da tarde desta sexta-feira (24), o presidente Michel Temer afirmou ter pedido apoio financeiro à Odebrecht para as campanhas do partido na eleição de 2014, mas disse não ter "autorizado, nem solicitado" que as doações fossem feitas de forma irregular.

A afirmação do presidente chega um dia depois de seu amigo pessoal e ex-assessor especial no Planalto, José Yunes, ter admitido que recebeu um "pacote" em seu escritório a pedido do hoje chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB-RS).

O ex-executivo da Odebrecht Cláudio Melo Filho afirmou em seu acordo de delação premiada que parte dos R$ 4 milhões dos repasses da empreiteira que estavam sob a responsabilidade de Padilha foram entregues no escritório de Yunes.

Veja a íntegra da nota:

"Quando presidente do PMDB, Michel Temer pediu auxílio formal e oficial à Construtora Norberto Odebrecht. Não autorizou, nem solicitou que nada fosse feito sem amparo nas regras da Lei Eleitoral. A Odebrecht doou R$ 11,3 milhões ao PMDB em 2014. Tudo declarado na prestação de contas ao Tribunal Superior Eleitoral. É essa a única e exclusiva participação do presidente no episódio.

Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República"

NOTA DO BLOG: Essa é uma coincidência danada. Todos os que são flagrados com doações das empreiteiras da Lava-Jato dizem que  as doações foram legais e declaradas ao TSE. Todos, sem exceção.

GOVERNO DO RN ASSINA COM CHINESES PROTOCOLO SOBRE INVESTIMENTOS EM ENERGIA SOLAR

24 de Fevereiro de 2017 | 18:23hs
Imagem [0]

Cumprindo agenda de trabalho na China, o governador Robinson Faria se reuniu hoje, 24, com empresários e investidores na sede da Câmara de Comércio da cidade de Hong Kong. Na reunião o governador tratou da instalação de uma fábrica de placas coletoras de energia solar, de novos investimentos em energia eólica, construção de um porto privado e exportações de frutas.

A próxima reunião de trabalho na China será em Xangai, onde o governador irá assinar protocolo de intenções para instalação da fábrica de placas coletoras de energia solar com a Chint Eletrics Co. A Chint possui instalações na Índia, Alemanha e Estados Unidos e agora deseja atingir o mercado da América do Sul, a partir de uma fábrica no RN.

A reunião também contou com a participação do cônsul geral do Brasil em Hong Kong, Piragibe Tarragô. Piragibe ressaltou a importância dos contatos entre o Governo do Estado e os investidores para o desenvolvimento da economia do Rio Grande do Norte e se colocou à disposição para “facilitar os contatos e cooperar para dar continuidade aos negócios a ser concretizados com essa visita”.

Anterior 1 2 3 4 5 Próxima

Sou jornalista há 28 anos, advogado e professor de História. Não sei se sou competente, mas sei que sou responsável com minhas tarefas.

netoqueiroz@uol.com.br